Como chegou até aqui?

terça-feira, janeiro 09, 2007

notas de prova ginja da d. fátima









D. Fátima, verdadeiro nome fictício de uma vizinha, teve a gentileza de me fazer chegar um frasquinho da sua ginja caseira. Agradeço. Longe de ser especialista, arrisco umas notas de prova sobre este licoroso líquido de cor mais clara que o habitual, que se apega às paredes do copo com a mesma vontade com que se passeia na língua do degustador.

A entrada na boca faz-se pela boca, preferencialmente. Quente, sedosa, invasora, a ginja da D. Fátima revela reminiscências aguardentes, sendo por isso persistente, insistente e até a atirar para o aborrecido, uma vez por outra - culpa da tonelada de açúcar que a senhora certamente mandou para dentro da panela.

No nariz - e nariz é coisa que não me falta - a intensidade é deveras pronunciada, mas o nariz que se aguente. A todo aquele licor a invadir-nos mansamente os recantos da boca perdoa-se tudo.

A cor ginja - como convém - mescla nuances grená escuro e anuncia um aroma potente, no mínimo, ideal para acompanhar uma lareira de Inverno ou outra. Evolui das frutas maduras à marmelada à fatia, escondendo um final de aromas retro nasais (o que quer que isto queira dizer - é da ginja, bolas).

O grand final é-nos proporcionado pelo fruto: o corromper invasor da pele faz-se através da perfuração crocante da pelicula, consorte ideal da polpa cremosa - não indicada para barrar no pão.

Obrigado D. Fátima.

2 comentários:

origami disse...

A ginja é copa C?

[ we ] disse...

epá, tbm quero!!